quarta-feira, 22 de julho de 2015

Conheça nossa cozinha #17


- E essa gostosa aqui?
- É a mina que o herói quer pegar.
- Ahã. E qual é a importância dela na história?
- Sei lá. Peitinhos?
- Esse é meu garoto!

 Gostosas nos quadrinhos!

 Quem não curte uma power girl de maiozão? Pernas de fora? Gostosinhas dos mangás? (não vou listar todas porque seria uma lista bem longa) Ou os gatinhos nos mangás? Eu curto as gostosinhas nos mangás, mas aí é questão de gosto claro.
 E novamente caímos na discussão de estereótipos, herói, cômico, fortão, anti herói, esses papeis interpretados por homens são bem diversificados, faça uma lista mental de um punhado de caras dos tipos aí em cima. Alguns clichês, mas no geral diferentes não é?
 Agora vamos fazer a mesma lista com personagens femininas. A variação vai de ruivas, morenas, loiras e negras e tamanho das curvas, mas em comum todas são muito mais sexualizadas que os homens. Porque? Grande parte dos leitores de quadrinhos são homens e talvez nem seja só por isso, porque até em revista de mulher tem mulher semi-nua.
 Questões sociais a parte, a beleza feminina é um produto. Basta ver o mercado de cosméticos. E nos quadrinhos não é diferente.
 Se você como já comprou uma playboy só pela capa e anos depois descobre como é uma mulher de verdade (muito melhor) sabemos como funciona a indústria perversa do marketing.
 Mas então não devemos ter mais heróinas hyper sensualizadas nos quadrinhos. Discordo. Acho que criar uma personagem feminina bonita, bem como um masculino bonito não tem nada demais o problema como tudo na vida está nos excessos.
 Por exemplo, quem não acha a Ramona Flowers uma gracinha? Eu acho, e isso que o cara desenha scott pilgrim no estilo cartunzão ou em termos honestos com a bunda (é uma piada viu).
 Agora indo para o lado ecchi da força, calcinha, peitão e coisa e tal. Você curte? Eu gosto parcialmente. Um dos motivos de eu não gostar é a erotização excessiva e as mulheres serem muito bonequinhas de plástico. Claro que esse gênero serve ao publico a quem é dirigido, eu acho imbecil. Por mais que eu ainda consuma algumas histórias do gênero por terem roteiros interessantes, tipo o cara que lê as reportagens playboy.
 Agora peguemos com exemplo a Claire Redfiled (residente vil 2). Ela é gata? É. É gostosa? Dilicia. Mas o que torna ela uma mulher foda pra caralho? Ela ter uma bunda redondinha? Nem de longe. O que nos deixa apegados a ela, tanto quanto a Jill ou o Cris (dos Resident Evil da geração antiga) é a personalidade, as atitudes. Se a botassem a Claire no Resident Evil 2 de calcinha o jogo inteiro ia ser bom? Sei lá, talvez sim, mas é totalmente fora de contesto, ao contrário de um estilo Rumble Roses que é jogo com esse tipo de pegada. Com um monte de gostosas de roupa curta e tal.
 Por isso na hora de trabalhar na concepção de uma personagem feminina a tendência a erotização é enorme, eu mesmo tento evitar excessos quanto as minhas personagens (ilustrações a parte) ou ao menos aplicar a sexualidade no contexto da história. É tipo aquela cena de sexo no filme que não tem sentido nenhum, só tem pra mostra peitinho gratuito e acabou. Agora quando a cena tem um peso emocional de fundo, mesmo que fique naquela insinuação e depois corta pra telinha preta ela me chama bem mais a atenção.
 Porque quando contamos uma história devemos evitar ao máximo colocar informações desnecessárias para o leitor. Até no bakuman tem uma parte que cita isso sobre cenas de calcinha, que por mais que sejam uma coisa boba elas tem que estar dentro de um contexto, não é só calcinha por calcinha e ponto final.
 Erotização em excesso é para um tipo de história especifico e não só pra atrair publico masculino. Não é formula de sucesso, ao menos para mim, claro que eu não sou o publico desse tipo de história obviamente. Mas tem que haver cuidado para não esteriotiparmos as personagens femininas deixando elas apenas como enfeite para a história, elas tem que estar lá por um motivo.
- Ah, ela está na história porque o personagem principal gosta dela, por isso ela tem que ser gostosa para que o leitor também ache ela gostosa.
 Negativo, ontem vi um filme chamado ABC do amor que é protagonizado por duas crianças de onze anos. A menina por quem o cara de apaixona é uma gracinha e na idade do menino eu me apaixonaria por ela facilmente porque eu não sou chegado numa novinha. Pra isso ela precisou ser gostosa como em mangá shonen? Nem de longe. As atitudes de uma personagem feminina comum é que deixam ela mais interessante do que as gostosonas.
 Quem não curte mais a melhor amiga do otário principal nos filmes do que a mina popularzona que ele ta afim? Nem todo mundo rs. Mas ela tende a ser bem mais cativante do a dona popularzona. Exemplo disso é a adaptação pro cinema do Scott Pilgrim, a Ramona naquele filme é linda. Linda e broxante em todos os sentidos. Já a Knives Chau que não chama atenção na HQ original é uma gracinha. Porque? Porque enquanto a Ramona é uma mosca morta a knives chau tem atitude pra caralho.
- Então você é contra gostosas no quadrinhos?
 Não. Em um papel secundário acho que é valido, porque ela vai estar lá só para representar o papel da gatinha. Agora no elenco principal ela tem que ter função na história, seja até pra ser chata, mas que ela faça alguma coisa além de mostrar o corpo. Mulheres assim como homens também tem sentimentos, opiniões, atitudes e são humanas! Não só peitos e bundas! Hahahaha!
 Claro que essa é um reflexão recente, porque antes eu via as mulheres nos quadrinhos só como enfeite ou um bonus. Mas com o passar do tempo e lendo histórias com meninas como protagonistas, percebi a importância delas além de um rostinho bonito. Assim como minha ídolo Samus Aran (Metroid) que foi a primeira mina dos games que não era princesinha e chutava bundas dos aliens e ainda sem descer do salto.

 Garotas, amo vocês!

A recomendação não pode ser outra se não studio ghibli, principalmente as protagonizadas por mulheres e sendo mais especifico o tem nem o que dizer Nausicaä do Vale do Vento leia e não se arrependa.
 Foda que por aqui não lançaram completo, mas na net tem scans!

Ps: A vida é tão linda. A vida tão é bela. Eu e meus amiguinhos, vivendo na favela!